O Homem Mais Poderoso do Mundo

Um dia alguém me disse que o papa é o homem mais poderoso do mundo e o Vaticano é o estado mais poderoso. Hoje acho que pode ser verdade. Um homem capaz de reunir milhões de filhos fiéis em uma cidade da Europa em um par de dias e um homem capaz de reunir as figuras políticas mais importantes do mundo em uma praça devem ser uma verdadeira pessoa poderosa. As pessoas deixaram a Polônia, viajaram por 30 horas em um ônibus para chegar a Roma e fizeram fila por mais de 13 horas (algumas esperaram 24 horas!) Para ver seu corpo morto. As pessoas desmaiaram na fila, outras sofreram o sol quente do dia e o vento frio da noite. Alguns cobertores, um sanduíche, alguns biscoitos e as forças italianas de primeiros socorros forneceram algumas garrafas de água. As pessoas não podiam sair da fila, elas só podiam ir ao banheiro posicionado na pista. Vi o desespero nos olhos daqueles que, depois de oito horas de espera, disseram que nunca teriam visto o Papa, porque a fila era muito longa. Eu disse poderoso, mas o que essa palavra significa? Quão poderoso? Ele era politicamente poderoso, sentimentalmente poderoso, religiosamente poderoso. Eu devo ter provado isso em mim. Eu estava lá no sábado, 2, quando ele morreu. Eu estava lá e sou neopagão e isso sempre serei! Como europeu e neopagão, pensei que tinha de honrar meu inimigo, um inimigo forte e um grande homem, mesmo que não concordasse com a maioria das palavras que ele disse, já que ele avançou no abandono do homem nas mãos de Cristo, multiculturalismo, perigoso amizades, mas ele era ótimo porque tudo o que fazia era com coragem e paixão, com missão e habilidade. Eu senti algo como se tivesse que ficar lá naquela tarde, perto de um velho que eu conhecia, um inimigo orgulhoso que lutou comigo (e continuará lutando comigo), que estava morrendo. Eu só queria dar a ele algum conforto e companhia em um momento difícil de dor. Meninos e meninas da mesma idade estavam cantando e gritando alto seu nome. Eles tinham fotos e velas nas mãos. Tinha 21 anos quando saí da praça para comer alguma coisa, alguns minutos antes da morte de João Paulo II, então decidi voltar para casa, mas quando a história de sua morte foi divulgada na TV (aos 22 anos – o Papa morreu em 21:37) minha mãe me ligou no meu celular e voltei para a praça S. Peters. Eu pensei que as pessoas estavam se afastando da praça, porque eu vi muitas delas saindo pela área de S. Peters, mas quando cheguei lá novamente, vi uma praça lotada, onde as pessoas estavam chegando de todos os lados e estavam orando. Decidi ficar e participar do rosário e da dor dos cristãos. O mesmo jovem que vi à tarde deixou suas velas no chão, desenhando cruzes de luz. Outras pessoas estavam chorando. Outros cantaram juntos canções da igreja que eu cantava quando criança e frequentava a escola das freiras. O jornal do Vaticano Osservatore Romano vendeu muitas cópias entre a multidão. Era meia-noite. Essa questão se tornou um objeto para colecionadores e ainda é vendida. João Paulo II é poderoso em todos os significados. Quem conseguiu reunir todos esses repórteres que invadiram a praça S. Peters e Roma para contar ao mundo a história da vida deste homem? Um homem negro de uma televisão africana começou a me filmar, 1, 2 … 5, 7 minutos em mim. Eu fiquei calada. Eu gostaria de lhe dizer, ei, cara, talvez eu seja o único que não é cristão aqui. Hoje é o dia do funeral. Estou vendo imagens da minha Roma tiradas de helicópteros e não a reconheço! Uma enxurrada de pessoas percorre as ruas próximas ao Tibre, ao redor da Basílica de São Pedro. Bandeiras vermelhas e brancas da Polônia, bandeiras amarelas e brancas do Vaticano, Roma, cerca de 2000 anos atrás, foram escolhidas para representar a universalidade da Igreja e foi nessa época que o paganismo foi suprimido. Sinto como se tivesse sobrevivido nos séculos e agora estou vendo as idades mudarem diante dos meus olhos. Este papa mudou o mundo. Este papa capturou o coração das pessoas usando tudo o que podia ter: aviões, barcos, computadores, televisões, música. Ele falou pela primeira vez com os jovens. Ele falou pela primeira vez ao judeu. Ele tem sido como um parente para muitas pessoas. Eu vi o funeral. Foi épico e majestoso, mas isso não chamou minha atenção. Fiquei impressionado com a voz embargada do jornalista Bruno Vespa comentando a cerimônia. Eu sempre o vi como um hard rock, mas hoje ele molhou suas palavras com lágrimas.

E agora, como a Igreja e seus filhos receberão o novo Papa? Quem será o novo papa? Todo mundo diz que ele será da América do Sul para combater o capitalismo americano. Nem todos os lugares da América do Sul são seguros, as pessoas são pobres e zangadas. Lutar contra o capitalismo nesses países significa também combater o capitalismo na América do Norte, mas o capitalismo nunca perseguiu a Igreja (nos Estados Unidos existem muitas igrejas diferentes), para que o Vaticano pudesse provocar uma fratura. É uma situação confusa que não consigo entender, porque não conheço muito bem a história e, do ponto de vista religioso, o cristianismo na América do Sul não é tão desgastado. Quero dizer, existem piores lugares. Eu acho que a Igreja tem que escolher outra figura forte do papa, caso contrário ninguém jamais o ouvirá, porque João Paulo II era muito popular e muito enraizado nos corações dos cristãos. Karol Wojtyla enfrentou o verdadeiro problema da Igreja do Comunismo na Europa Oriental. O problema era real… ele foi baleado! Eu acho que a Igreja, se quiser sobreviver, deve encontrar o Oriente Médio. Um papa do Líbano, ou do Iraque ou Afeganistão, por que não? Um papa cruzado!

No início de seu pontificado, João Paulo II disse aos cristãos que concedessem admissão a Cristo. Ainda assim, as pessoas seguem suas palavras e trocam paz com todos (Cristo = o primeiro irmão que você conhece), fazendo com fé, sem considerar os riscos dessa paz livre. Sou pagão e pessoalmente acho que a Fé Cristã é uma serenidade cega (espero que ninguém se ofenda). Observando de fora ainda não entendo a motivação de ser cristão na Europa, mas como pagão aprendi que quando alguém, por alguma razão, quer fazer uma bênção para você com todas as melhores intenções, você deve aceitar, porque isso não mudará você e sua identidade, se você não quiser mudar, mas irá enriquecê-lo. Eu me encontrei, porque minha mãe queria ir para lá, na Catedral de Westminster, em Londres. Lá vi um grupo de mulheres negras participando da missa. Era hora de bênçãos e troca de paz. Um deles me ligou, ela me disse: Venha, venha aqui! Eu entendi que estava caindo em preconceito, que é um dos erros mais errados para um racialista, eu acho. Eu acho que um racialista deve ser prudente, mas nunca tem preconceito. Não sei quais pensamentos passaram na mente daquela mulher negra, mas esses eram meus (tenho certeza de que eram diferentes dos dela) quando decidi dar-lhe a mão tentando comunicá-los: Esta é a minha mão, como um diálogo entre nós. Quero ser respeitado e quero respeitá-lo, em paz e em guerra. Regras verdadeiras entre nós. O papa João Paulo II tem sido um poderoso líder, capaz de reunir pessoas de todas as nacionalidades e raças sob um deus, mas há pessoas como eu na Europa,

Minha pergunta final é: quanto tempo essa estrutura da Igreja resistirá?
As mulheres idosas dizem que quando um papa morre, outro é feito … para sempre?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *